• CUBO

O que muda sem os likes do Insta?


Muita gente tem nos perguntado o que muda com a nova estratégia de ocultar os likes do Instagram. Isto porque, desde a semana passada, a quantidade de curtidas por post é visível apenas para os usuários que fazem o gerenciamento das páginas (apesar de ainda ser possível para qualquer usuário identificar quem curtiu a imagem clicando no post).

Segundo manifestações do próprio Instagram, esta medida tem como objetivo tornar o conteúdo da rede mais rico, de forma que marcas e pessoas mantenham seu engajamento pela riqueza do conteudo que oferecem, sem influenciar seguidores a curtir imagens com maior popularidade (não são poucos os testes que asseguram que pessoas seguem marcas e personalidades com maior público, algo parecido com a teoria de que pessoas se identificam mais com times e causas "da moda").

Fugir da pressão da contagem de likes já foi um dos motivos para o lançamento dos Stories. Segundo o Canaltech, o cientista de dados independente David Stier, um dos participantes do estudo que demandou a mudança na ferramenta, conduziu uma análise com mais de 200.000 contas, analisando o comportamento de jovens que transformam sua conta pessoal em comercial apenas para mensurar seus dados de engajamento. Segundo o estudo, este comportamento pode colocar em risco a privacidade não apenas do usuário em questão, mas de toda sua rede de contatos."Vou falar com os pais e digo: 'Você sabia que, se seu filho de 13 anos transforma sua conta do Instagram em uma conta comercial, mais de 1 bilhão de pessoas têm acesso às informações de contato?", disse Stier, em entrevista a Bloomberg. “Qualquer um com quem falo, reage: 'Você está brincando!'”

Na prática, o Insta continua considerando os dados de curtidas como forma de ranqueamento do post, então, sim! Continua sendo muito importante que o post receba o máximo de curtidas possíveis, porque quanto mais bem ranqueado melhores serão os dados de alcance. E sim: marcas continuam precisando anunciar com verbas pagas, já que o engajamento orgânico tanto no Insta quanto no Face tem cada vez menos alcance. A tendência, inclusive, é de que, se nada mudar, a verba para anúncios precise crescer para manter os mesmos padrões de engajamento (lembrando que outros fatores são fundamentais, como segmentação de público, frequência, relevância, etc).

O lado bom: certamente teremos menos compra de curtidas pelas ferramentas de automação, que só agregam em números, já que carregam um emaranhado de perfis fakes como curtidores. Aqui fica nosso conselho de sempre: a menos que sua marca ganhe dinheiro colecionando seguidores (até hoje não conhecemos nenhuma marca com este perfil!), comprar seguidores é uma estratégia rápida e sem resultado nenhum. Inclusive para influencers, que são avaliados por resultados de engajamento com a marca contratante. Esta prática inclusive prejudica a marca, já que exige maior segmentação de público-alvo, e, consequentemente, mais investimentos em anúncios. Para redes vale sempre a receita: conteúdo relevante + frequência ideal + segmentação maximizada de acordo com a verba. ;)

#Instagram #RedesSociais

8 visualizações